Variabilidade Pluviométrica Anual, Sazonal e Mensal na Região Metropolitana de Curitiba

Palavras-chave: eventos extremos; precipitação; seca.

Resumo

A precipitação pluvial se constitui como importante elemento meteorológico, necessário para o desenvolvimento de atividades biológicas e humanas, em meio rural e urbano. A análise da variabilidade pluviométrica é um parâmetro importante a se considerar para o adequado planejamento, desenvolvimento e tomada de decisão, pois eventos extremos de precipitação e seca culminam em graves problemas econômicos e sociais. O objetivo deste trabalho foi realizar a análise da variabilidade pluviométrica sob perspectiva anual, sazonal e mensal, analisando o padrão, a distribuição, discrepâncias e extremos entre as localidades da região. Para tanto, foi utilizado dados de chuva (em mm) de 28 estações pluviométricas, sendo submetidos a espacialização e análise estatística, através de boxplots. Identificou-se as localidades em leste como a mais chuvosa e a que apresentou a maior variação anual; o norte foi observado como o menos chuvoso e com as menores amplitudes em todas as análises; a localidade central ficou em posição intermediária na média anual; e a porção sul e oeste registraram alturas relativamente intermediárias. A análise anual, sazonal e mensal mostrou grande variabilidade, porém a ênfase se deve aos meses em anos extremos de seca e precipitação.

Biografia do Autor

Leonardo Rodrigues, Universidade Estadual de Londrina

Atualmente é Graduando do curso de Geografia da Universidade Estadual de Londrina e colaborador em projetos de pesquisa tangentes às geotecnologias, geoprocessamento, análise ambiental e gestão de resíduos sólidos. leonardo.rodrigues@uel.br 

Nathan Felipe da Silva Caldana, Universidade Estadual de Londrina

Graduado em Geografia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Mestre em Engenharia Ambiental na linha de pesquisa Poluição do Ar e Processos Atmosféricos pelo Programa de Pós Graduação em Engenharia Ambiental (PPGEA) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Doutorando em Agronomia pelo Programa de Pós-Graduação em Agronomia da Universidade Estadual de Londrina, na linha de pesquisa de Fitotecnia, com ênfase em Agrometeorologia. Foi bolsista de pesquisa do Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR/ITAIPU Binacional, com ênfase em Zoneamento de Risco Agroclimático no período de 2016 a 2019.

Mateus Galvão Cavatorta, Universidade Estadual de Londrina

Licenciado em Geografia e Bacharelado em andamento pela Universidade Estadual de Londrina - UEL. Especializado em Educação de Jovens e Adultos pela Faculdade Campos Elíseos. Mestrado em andamento pela Universidade Estadual de Londrina - UEL. Orientando do Prof. Dr. Edilson Luis de Oliveira. É integrante e pesquisador do Laboratório de Estudos Urbanos Regionais e da Saúde - LEURS/UEL. Portanto, estuda Geografia Política e Geografia Urbana, atuando principalmente nos seguintes temas: território, conflito, verticalização, e outros temas relacionados ao espaço urbano de Londrina(PR).

Referências

ANGELOCCI, L. R.; SENTELHAS, P. C.; PEREIRA, A. R. Agrometeorologia fundamentos e aplicações práticas. Agropecuária, Guairá, 2002.
AYOADE, J. O. Introdução à Climatologia para os Trópicos. 11ª edição. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 2007.
BARRY, R. G.; CHORLEY, R. J. Atmosfera, tempo e clima. Porto Alegre: Bookman, 2013.
CALDANA, N. F. S.; MARTELÓCIO, A. C. Gênese, frequência e intensidade das precipitações de granizo nas Mesorregiões Centro Oriental e Sudeste Paranaense, Brasil. Geotextos, v. 15, p. 205-229, 2019.
CHRISTOPHERSON, R. W.; BIRKELAND, G. H. Geossistemas: uma introdução à Geografia Física. Porto Alegre: Bookman, 2017.
DA COSTA, A. J. S. T.; CONCEIÇÃO, R. S.; AMANTE, F. O. As enchentes urbanas e o crescimento da cidade do Rio de Janeiro: estudos em direção a uma cartografia das enchentes urbanas. Geo UERJ, n. 32, p. 25685, 2018.
HARTMANN, D. L. Global physical climatology. Newnes, 2015.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico. Disponível em: . Acesso em: 05/10/2020.
_____________. Estimativas da População. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html?=&t=downloads>. Acesso em: 07/10/2020.
IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Perfil da Região Metropolitana de Curitiba. Disponível em: . Acesso em: 02/10/2020.
LEM, S.; ONGHENA, P.; VERSCHAFFEL, L.; VAN DOOREN, W. The heuristic interpretation of box plots. Learning and Instruction, v. 26, p. 22-35, 2013.
LIMA, J. F. de, ALVES, L. R., PIFFER, M., & PIACENTI, C. A. Análise regional das mesorregiões do estado do Paraná no final do século XX. Análise Econômica, v. 24, n. 46, 2006.
MANN, M. E.; RAHMSTORF, S.; KORNHUBER, K.; STEINMAN, B. A.; MILLER, S. K.; COUMOU, D. Influence of anthropogenic climate change on planetary wave resonance and extreme weather events. Scientific Reports, v. 7, p. 45242, 2017.
MENDONÇA, F.; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia: Noções básicas e Climas do Brasil. Editora Oficina de Textos: São Paulo, 2007.
MENDONÇA, F. A. Riscos, vulnerabilidade e abordagem socioambiental urbana: uma reflexão a partir da RMC e de Curitiba. Desenvolvimento e Meio ambiente. v. 10, n. 10, p. 139 - 148, 2005.
MUELLER, T. G.; PUSULURI, N. B.; MATHIAS, K. K.; CORNELIUS, P. L.; BARNHISEL, R. I.; SHEARER, S. A. Map quality for ordinary kriging and inverse distance weighted interpolation. Soil Science Society of America Journal. v. 68, n. 6, p. 2042-2047, 2004.
NITSCHE, P. R.; CARAMORI, P. H.; RICCE, W. S.; PINTO, L. F. D. Atlas Climático do Estado do Paraná. Londrina, PR: Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR. 2019. Disponível em: . Acesso em: 28/09/2020.
OLDENBORGH, G. J. V.; PHILIP, S.; KEW, S.; WEELE, M. V.; UHE, P.; OTTO, F.; SINGH, R.; PAI, I.; CULLEN, H.; RAO, K. A. Extreme heat in India and anthropogenic climate change. Natural Hazards and Earth System Sciences, v. 18, n. 1, p. 365-381, 2018.
PEREIRA, M. L. T.; SOARES, M. P. A.; SILVA, E. A.; ASSUNÇÃO MONTENEGRO, A. A.; DE SOUZA, W. M. Variabilidade climática no Agreste de Pernambuco e os desastres decorrentes dos extremos climáticos. Journal of Environmental Analysis and Progress, v. 2, n. 4, p. 394-402, 2017.
RAYMOND, F.; ULLMANN, A.; TRAMBLAY, Y.; DROBINSKI, P.; CAMBERLIN, P. Evolution of Mediterranean extreme dry spells during the wet season under climate change. Regional Environmental Change, v. 19, n. 8, p. 2339-2351, 2019.
SANTOS, Caio. Análise da suscetibilidade à ocorrência de enchentes e alagamento na bacia do alto/médio curso do rio Jaguaribe, João Pessoa/PB, a partir de características morfométricas extraídas de dados SRTM. Revista de Geociências do Nordeste, v. 1, n. 1, p. 37-49, 2015.
SCHNEIDER, H.; DA SILVA, C. A. O uso do modelo box plot na identificação de anos-padrão secos, chuvosos e habituais na microrregião de Dourados, Mato Grosso do Sul. Revista do Departamento de Geografia, v. 27, p. 131-146, 2014.
STOTT, P. How climate change affects extreme weather events. Science, v. 352, n. 6293, p. 1517-1518, 2016.
ZHAO, P.; LÜ, H.; YANG, H.; WANG, W.; FU, G. Impacts of climate change on hydrological droughts at basin scale: A case study of the Weihe River Basin, China. Quaternary international, v. 513, p. 37-46, 2019.
Publicado
2021-02-17
Como Citar
Rodrigues, L., Caldana, N. F., & Cavatorta, M. (2021). Variabilidade Pluviométrica Anual, Sazonal e Mensal na Região Metropolitana de Curitiba. Congresso Brasileiro Da Guerra Do Contestad; Colóquio De Geografias Territoriais Paranaenses E Semana De Geografia Da UEL, 2, 426-442. Recuperado de http://anais.uel.br/portal/index.php/contestado/article/view/913