O JOGO, A IMPROVISAÇÃO E A MÁSCARA NA CRIAÇÃO DOS TIPOS CÔMICOS

  • Elisangela do Amaral Correa Universidade Estadual de Londrina
  • Gustavo Aparecido Garcia Universidade Estadual de Londrina
  • Camilo Scandolara, Adriane Maciel Gomes Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: jogo, improvisação, máscara

Resumo

Este projeto desenvolve um treinamento para artistas da cena que possibilite aos estudantes de diferentes séries do curso de Artes Cênicas um estudo aprofundado e sistematizado da linguagem do cômico, por meio do jogo, da improvisação e do porte de máscaras teatrais de diferentes tipos e naturezas para a criação de tipos cômicos. Neste sentido, busca-se um teatro improvisado, não interpretativo, mas criador. Cada estudante participante deve buscar ter domínio e consciência de suas possibilidades corporais e, só assim, estar livre para criar em relação às situações propostas. Além disso, o trabalho com a criação de tipos cômicos experimenta a criação de um repertório próprio de cada estudante, agregando os conhecimentos adquiridos nas disciplinas do curso a outros conhecimentos artísticos trazidos pelos próprios estudantes. A principal inspiração e referência deste projeto são os artistas da commedia dell’arte e os diálogos que esta permite com as pesquisas realizadas por encenadores contemporâneos que experimentaram e experimentam compreender a improvisação como subsídio imprescindível à arte do ator/atriz. Podemos citar, Konstantin Stanislávski, Evguiêni Vaktângov, Mikhail Tchékhov, Alexander Taírov, Vsévolod Meyerhold (1874-1940), Nicolas Evreinoff, Jacques Copeau, Jacques Lecoq, Ariane Mnouckine e, no Brasil, grupos tais como Moitará, Galpão, Terreira da Tribo e outros.  A partir de metodologias relacionadas aos encenadores e grupos citados e às inquietações e necessidades dos participantes do projeto, busca-se, introduzir a improvisação e o jogo como fonte de criação, visando à experimentação do porte de máscaras e à elaboração de cenas a partir do que foi vivenciado.

Publicado
2020-09-19