VALIDAÇÃO DE TESTE DE TRIAGEM PARA DETECÇÃO DE RESISTÊNCIA ÀS POLIMIXINAS

  • Rayane Alves dos Santos Universidade Estadual de Londrina
  • Gerusa Luciana Magalhães Universidade Estadual de Londrina
  • Talita Caroline da Luz Universidade Estadual de Londrina
  • Joice Lopes Siqueira Universidade Estadual de Londrina
  • Maria Julia Pimenta Universidade Estadual de Londrina
  • Maria Julia Onça Moreira Universidade Estadual de Londrina
  • Ariane Tiemy Tizura Universidade Estadual de Londrina
  • Carolina Martins Kaminami Universidade Estadual de Londrina
  • Evelyn Poliana Candido Universidade Estadual de Londrina
  • João Gabriel Material Soncini Universidade Estadual de Londrina
  • Marsileni Pelisson Universidade Estadual de Londrina
  • Eliana Carolina Vespero Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: polimixina, teste da gota, resistência

Resumo

As polimixinas foram antimicrobianos inseridos na prática terapêutica na década de 50, porém, devido seu efeito neurotóxico e nefrotóxico, e com o surgimento das cefaloporinas, deixam de serem utilizados na clínica.  No entanto, com a disseminação de mecanismos de resistência, como as carbapenemases, as polimixinas foram reintroduzidas na prática hospitalar. Objetivo: Neste estudo, avaliamos um teste de triagem capaz de detectar resistência as polimixinas pelo método de diluição em ágar. Métodos: Foram incluídos neste estudo 521 isolados clínicos consecutivos de Acinetobacter baumannii, Pseudomonas aeruginosa e Enterobacteriaceae e 57 Klebsiella pneumoniae, previamente identificados como resistentes aos carbapenens e às polimixinas. Foram realizados teste de diluição em ágar (teste da gota) para colistina e polimixina B,nas concentrações de 2,0, 4,0 e 8,0 μg/mL. Foram avaliados os métodos de microdiluição em caldo (BMD) e o sistema automatizado Vitek 2® para colistina. Resultados: considerando a BMD como método de referência, 420 isolados mostraram-se sensíveis à colistina, 158 isolados resistentes à colistina, 423 isolados sensíveis à polimixina B e 155 isolados resistentes à polimixina B. O desempenho do sistema automatizado Vitek 2® identificou 429 isolados susceptíveis à colistina e 149 isolados resistentes à colistina. A AUC da curva ROC apresentou melhor desempenho para a concentração de 4,0 μg / mL, com valores de 0,9671 e 0,9568 para colistina e polimixina B, respectivamente, O índice Kappa foi 0,9305 para colistina e 0,9079 para polimixina B. Conclusões: Os resultados mostraram que os testes da gota podem ser usados ​​com confiança na prática de laboratórios clínicos.

Publicado
2020-09-21