VIVENCIAS DO PAI DURANTE A HOSPITALIZAÇÃO DO FILHO PREMATURO: REVISÃO INTEGRATIVA

  • Amanda Aparecida Barcellos
  • Adriana Valongo Zani
Palavras-chave: Unidades de Terapia Intensiva Neonatal, Serviços de Saúde da Criança, Recém-nascido Prematuro, Sentimentos, Relação pai-filho

Resumo

INTRODUÇÃO: A figura paterna é importante durante todo o processo de gestar. Contribui decisivamente com o bem-estar de sua companheira, mesmo que seja só pela presença, aceitação ou prazer de compartilhar o momento. Após o nascimento e durante toda a internação, as atenções no atendimento, orientação e cuidados com a família ainda têm se centralizado na figura materna, e nesse contexto o pai tem sido apenas coadjuvante no processo. OBJETIVO: Identificar, por meio da literatura científica, os sentimentos que permeiam as representações do pai durante a internação de um recém-nascido prematuro e de baixo peso. MÉTODO: Trata-se de uma revisão integrativa, utilizando artigos científicos completos indexados nas bases de dados LILACS, MEDLINE e SCIELO publicados no período de 2005 a 2015, nos idiomas português e inglês. A amostra final dessa revisão foi composta por 13 artigos. Este estudo integra amplo projeto de pesquisa intitulado: A figura paterna no cuidado ao recém-nascido prematuro e de baixo peso hospitalizado em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). RESULTADOS: Após o nascimento, os pais referem um instante de alegria, entretanto, é interrompido no momento do anúncio da necessidade do filho ser encaminhado a UTIN. Os pais vivenciam nesse momento sentimentos como a angústia, a falta de controle e a insegurança. Durante a internação, os pais apresentam sentimentos ambíguos: sentem-se felizes em ver que o filho está vivo e está reagindo, mas ainda sentem tristeza em vê-los na situação em que se encontram; sentem-se ansiosos pelo momento da alta, mas temem que o cuidado em domicílio não seja tão eficiente. Muitos pais gostariam de ter uma participação mais efetiva no cuidado do filho. Bem como, ter acesso integral ao ambiente hospitalar.  CONCLUSÃO: As equipes de saúde atuante nas unidades neonatais devem estar preparadas para acolher, aconselhar e ensinar esse pai, evidenciando a necessidade de inserção do pai no cuidado do filho, bem como políticas que fiscalizem essa implementação e desta forma auxiliando a minimizar sentimentos de sofrimento e fortalecer sentimentos positivos.

Publicado
2018-05-27
Seção
Artigos