ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO ATENDIMENTO À CRIANÇA EM SERVIÇO DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

  • Ana Beatriz Custódio
  • Ariane Thaise Alves Monteiro
  • Gleice Keila da Silva
Palavras-chave: Enfermagem, Criança, Urgência, Emergência

Resumo

INTRODUÇÃO: O atendimento de qualidade às crianças em serviços de urgência e emergência é imprescindível para a sua total recuperação. Neste ambiente são evidenciadas diferentes modalidades de agravos à saúde, portanto, a capacitação e o aprofundamento do profissional em saúde, em especial o enfermeiro, em todas as áreas clínicas, promove a atuação segura e a manutenção da qualidade da assistência prestada. OBJETIVO: Analisar a assistência de enfermagem quanto ao atendimento à criança em serviço de urgência e emergência. METODOLOGIA: Trata-se de uma pesquisa do tipo revisão bibliográfica, utilizando-se das bases de dados LILACS, SCIELO e BDENF, onde 14 artigos foram selecionados de acordo com os seguintes critérios de inclusão: textos completos, em língua portuguesa, publicados no período de 2007 a 2016. RESULTADOS: Constatou-se a necessidade do acolhimento do enfermeiro à família do paciente pediátrico, fazendo com que este participe ativamente do tratamento, trazendo segurança e suprimindo o medo e as dúvidas destes. A inclusão do brinquedo terapêutico, antes de um procedimento, contribui para que a criança se sinta menos “invadida”, expresse seus sentimentos e muitas vezes, sinta menos dor, facilitando o vínculo entre paciente/enfermagem. A brinquedoterapia pode contribuir de forma a motivar a equipe multiprofissional a usá-lo com vistas aos benefícios trazidos, não somente no sentido biológico, mas também emocional da criança. É importante ressaltar que com esta prática, permite-se a construção de um cuidado humanizado no pronto-socorro infantil. A necessidade da melhora na qualidade tanto da estrutura física quanto na capacitação dos profissionais também foi evidenciada. CONCLUSÃO: A inclusão do familiar no atendimento à criança favorecendo práticas humanizadas como o brinquedo terapêutico, podem promover a integralidade da assistência tornando o sujeito família parte do cuidado, com isto, o tratamento do paciente pediátrico é favorecido e meios são subsidiados para superação de conflitos como o medo e a angústia da dor/doença do filho.

Publicado
2018-05-27
Seção
Artigos