CUIDADO DA CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO MEDIADO PELO BRINQUEDO TERAPÊUTICO INSTRUCIONAL

  • Karoline Hyppolito Barbosa
  • Ana Flavia Placidino
  • Mateus Machado Magalhães
  • Rosângela Aparecida Pimenta Ferrari
  • Flávia Lopes Gabani
Palavras-chave: Jogos e Brinquedos, Criança, Hospitalização, Procedimentos Cirúrgicos

Resumo

INTRODUÇÃO: O brinquedo terapêutico é uma técnica de intervenção utilizada para restabelecer aspectos psicofisiológicos antes e após hospitalizações e procedimentos invasivos, como cirurgias, a fim de tornar os procedimentos menos traumáticos para a criança e consequentemente para sua família. Visa também cuidado humanizado durante hospitalização em unidades pediátricas. OBJETIVO: Conhecer a percepção da criança sobre a aplicação do brinquedo terapêutico instrucional no pós-operatório. MÉTODOLOGIA: Trata-se de estudo do tipo exploratório, qualitativo, com crianças a partir de quatro anos de idade internadas na unidade pediátrica do Hospital Universitário de Londrina, Paraná. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 11 crianças durante a aplicação do brinquedo terapêutico instrucional no pós-operatório, desde que não houvesse impedimento por dor ou outro sintoma que interferisse na atividade. O material foi analisado seguindo os passos do referencial metodológico segundo Bardin. RESULTADOS E DISCUSSÕES: Evidenciaram-se nos discursos das crianças duas categorias: o brinquedo como instrumento para aflorar a vivência do pré ao período operatório, nas crianças que demonstraram no brinquedo terapêutico todos os procedimentos a que foram submetidas, detalhando sinais e sintomas, transporte para o hospital, sentimento de muita dor e necessidade cirúrgica; o procedimento no centro cirúrgico foi detalhado quanto ao local da anestesia e pós-operatório seguido de alta. A outra categoria sendo o brinquedo apenas um momento de distração, em que crianças não quiseram expressar o procedimento cirúrgico nem os sentimentos advindos desse procedimento. CONCLUSÃO: O brinquedo terapêutico na maioria das crianças possibilitou a compressão e interação dos procedimentos a que foram submetidas, diminuindo o medo e a angustia, e possibilitando benefícios às crianças submetidas à aplicação do brinquedo terapêutico e aos estudantes que aplicam essa prática, os quais puderam priorizar o cuidado humanizado.

Publicado
2018-05-27
Seção
Artigos