TERRITÓRIO-REDE E FRONTEIRA: UM VISLUMBRAR PARA O COMEÇO DO BRASIL - OIAPOQUE – AMAPÁ

  • Edenilson Dutra de Moura
Palavras-chave: Território-fronteiriço; Urbano-fronteiriço; Fronteira franco-brasileira.

Resumo

Este artigo pauta-se na proposição da discussão teórico-prática sobre o território-rede em um contexto
fronteiriço. A discussão tem como principal recorte empírico as dinâmicas territoriais-reticulares de Oiapoque,
município localizado no estado do Amapá na fronteira com a Guiana Francesa. Ressaltamos a centralidade da
fronteira nas relações socioespaciais estabelecidas territorialmente em Oiapoque, principalmente na produção do
espaço urbano. Buscou-se nos conceitos de fronteira, território e rede, nossa base teórica para este trabalho. Além
dos levantamentos teórico-conceituais este estudo se pautou em uma abordagem qualitativa. Afirmamos a
importância das observações e experiências in loco, executadas entre os anos 2016 a 2018, que permitiram os
registros fotográficos e diálogos informais com diferentes protagonistas da fronteira. Os (novos) arranjos
territoriais estabelecidos nesta área, como a abertura parcial da Ponte Binacional, tendem a redimensionar os
diferentes fluxos sob a lógica reticular, estabelecendo novas formas de produção do espaço, pois possibilitam
articulações dos territórios-rede que reorganizam a dinâmica regional e reconfiguram a atuação de diferentes atores
que atuam na conexidade desta fronteira, em diferentes níveis, desde o Estado até os piratas, catraeiros e naveteiros.
Acreditamos que o entendimento territorial reticular da fronteira, revelam o potencial do território para o
descortinar fronteiriço.

Publicado
2018-11-28