ESTRATÉGIAS DE DIVULGAÇÃO DA GEODIVERSIDADE NO PARQUE ESTADUAL DO GUARTELÁ (TIBAGI/PR) E NO PARQUE ESTADUAL DE VILA VELHA (PONTA GROSSA/PR)

  • Dênis Cereja dos Santos
  • Claudemir Rodrigues Soares
Palavras-chave: Geoturismo, Patrimônio Natural;, Trabalho de Campo.

Resumo

O estudo da geodiversidade, temática recente, apresenta-se como fonte de trabalhos com objetivo de entender as principais estratégias de conservação e divulgação dos elementos naturais abióticos da paisagem, e a Geografia possui enorme papel nesse aspecto. Considerando a divulgação da Geodiversidade, a valoração do Geoturismo deve-se considerar e, intensificar a manutenção de parques atuais, investir no reconhecimento de atividades que estejam atreladas a esse modelo de turismo. Tendo em vista essas considerações, a caracterização, via trabalho de campo, torna-se um instrumento importante para o entendimento mais concreto de como a geodiversidade é divulgada para a população não acadêmica. Nesse sentido, o trabalho de campo realizado nos
municípios de Tibagi/PR e Ponta Grossa/PR, especificamente no Parque Estadual do Guartelá e no Parque Estadual de Vila Velha apresenta-se, os desafios na divulgação da Geodiversidade e na criação de opções de turismo paralelas a atração ao qual as riquezas naturais possam oferecer, tendo em vista a riqueza abiótica como foco, observadas nos territórios municipais e nos parques citados são enormes. Além dos parques, a caracterização do ponto Mirante de Tibagi, foi importante para expressar que o trabalho de divulgação da geodiversidade não deve estar condicionado apenas a administração dos parques. Por fim, como forma de reforçar essa ideia de descentralizar dos parques a divulgação da Geodiversidade, é preciso um destaque especial ao trabalho realizado na UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa). A anotação em caderno de campo e a produção de um acervo iconográfico foram as principais estratégias  Metodológicas utilizadas na obtenção de informações sobre os pontos citados.

Publicado
2018-11-28