A ARQUITETURA DOS MERCADOS PÚBLICOS COMO ELEMENTO INTEGRADOR ENTRE CIDADE-CAMPO: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE PATO BRANCO-PARANÁ

  • Leonardo Danielli
Palavras-chave: Espaço Público; Tradição; Feira do Produtor.

Resumo

Os primeiros indícios de mercado se fizeram presentes através do sistema de trocas realizadas a partir dos excedentes gerados em decorrência do avanço das técnicas agrícolas, sistema denominado escambo, que por questões higienistas aliado à revolução industrial sofrem constantes transformações e evoluíram das típicas feiras livres de rua a edifícios. Os mercados municipais, arquitetura integradora entre cidade e campo, se constituí como espaço público de sociabilidade, estabelece o registro de origens e tradições das cidades reunindo a diversidade cultural e a venda de secos e molhados fomentando um centro urbano de convívio para a população. Pato Branco, localizada na região Sudoeste do Paraná, caracteriza-se tanto pela produção rural e agropecuária quanto por taxas recentes significativas de crescimento urbano. O espaço denominado mercado do produtor intermedia esta relação, porém, se mostra inadequado quando
avaliados fatores de espacialidade e estrutura física. Baseia-se nessa premissa o estudo do problema que discorre sobre a real necessidade de implantação de um Mercado Público na cidade de Pato Branco. O objetivo fixa em demonstrar o potencial produtivo do município e apontar as insuficiências da atual estrutura do edifício Feira do Produtor e então justificar a implantação deste equipamento. 

Publicado
2018-12-05