RECORTES TERRITORIAIS COMO POSSIBILIDADES DE GESTÃO: UM PROCESSO EMBRIONÁRIO PARA O GERENCIAMENTO METROPOLITANO OU “MERAS IDEALIZAÇÕES” POLÍTICAS?

  • Jaqueline Telma Vercezi
Palavras-chave: Recortes territoriais. Gestão integrada. Região Norte do Paraná.

Resumo

Intenta-se neste trabalho, discutir sobre o significado da atuação do poder público/privado no
processo de articulação e gestão de municípios em sua maioria polarizados por Maringá, localizados na região norte
do Paraná. As vertentes que procuram desvelar a realidade vêm cerceadas pelos seguinte questionamento: Qual o
poder político inserido no contexto de concretização de uma região de desenvolvimento na realidade que envolve
Maringá e os munícipios que se relacionam com a mesma? Qual o significado da divisão política e o processo de
gestão da região? Foi objetivando a busca de desenvolvimento regional que surgiram propostas idealizadas que
nos remete a algumas reflexões sobre: o METRONOR, METROPLAM e AMUSEP - Diante de toda essa
efervescência do processo produtivo instaurado na região é que a gestão do espaço supramunicipal se faz
imprescindível, se não pelo estímulo das potencialidades locais, que seja para a otimização dos municípios de forma
integralizada em busca do desenvolvimento regional. Evidencia-se que não é um modelo estruturado em bases
sólidas diante da realidade política reinante, de partidos que não são ideológicos, criados em função dos
interesses individualistas que mudam o seu foco conforme as conveniências burocráticas.

Publicado
2018-12-05