SEGREGAÇÃO RESIDENCIAL NA CIDADE MÉDIA: O CASO DE POÇOS DE CALDAS (MG)

  • Eduardo de Araujo da SILVA IFSULDEMINAS – Campus Poços de Caldas. Bolsista
  • Alexandre Carvalho de ANDRADE IFSULDEMINAS – Campus Poços de Caldas. Bolsista
Palavras-chave: Expansão urbana; Desigualdades Socioespaciais; Cidade média.

Resumo

Resumo:

O presente trabalho tem o objetivo de apresentar algumas considerações sobre o fenômeno de segregação residencial na cidade de Poços de Caldas, Minas Gerais. Poços de Caldas é uma cidade de relevância histórica, turística e econômica, localizada no sul de Minas Gerais. Categorizada como cidade média, ela apresenta elevados índices socioeconômicos para a média de seus moradores, porém como as demais cidades inseridas na lógica capitalista, dentro do seu espaço urbano podem ser percebidas desigualdades, tanto sociais quanto espaciais. O crescimento urbano do município foi maior a partir da década de 1950, quando houve a diversificação das atividades econômicas. Indústrias de grande porte se instalaram no município, gerando avanços econômicos significativos, além de criar fluxos migratórios consideráveis. Em contrapartida, esse acréscimo populacional expressivo fez que a qualidade de vida na cidade descaísse, gerando problemas de moradias para grupos sociais com menores rendimentos. Na década de 1980, o Poder Público inaugurou o Conjunto Habitacional na região sul, esta que recebeu posteriormente outros investimentos populares em menores escalas.  Hoje podem ser visualizadas diferenças socioespaciais materializadas na cidade. Nas regiões próximas do centro e em bairros da região oeste, há moradias com padrões mais altos e atrativos locais, em detrimento às regiões sul e leste da cidade contêm moradias destinadas a um publico de menor renda, além das regiões apresentarem problemas socioambientais.

 

Palavras-Chave: Expansão urbana; Desigualdades Socioespaciais; Cidade média.

Publicado
2019-01-16