Grupo de psicologia ao ar livre

a arte e a informalidade como possibilidade de acesso a subjetividade de homens em situação de rua

  • Gleice Olga Martins Universidade Norte do Paraná
  • Aline Cristina Monteiro Lopes Instituto de Ensino Superior de Londrina
Palavras-chave: psicologia comunitária, homens em situação de rua, acolhimento institucional

Resumo

Introdução: A psicologia na atuação em acolhimento institucional adulto possui vários desafios, entre eles, formas de acesso a população que muitas vezes apresenta resistência em participar das propostas psicológicas formais. Sendo assim, este trabalho possui o objetivo de descrever uma proposta de um grupo de psicologia que foi ofertado em um abrigo para homens em situação de rua na cidade de Londrina- PR. Neste trabalho será abordado especificamente alguns encontros que foram realizados nas sextas-feiras com duração de duas horas aproximadamente, e que era coordenado por uma psicóloga e estagiárias de psicologia. O procedimento metodológico utilizado foi a proposta de grupos que aconteciam ao ar livre, a pedido dos acolhidos. O grupo era composto no primeiro momento por uma atividade de alongamento, e em seguida a discussão do dia. As atividades realizadas abordavam temas sobre cooperação, regras, história de vida, superação do uso de drogas, redução de danos, identidade do morador de rua, justiça restaurativa e integração. Como considerações da proposta realizada, identificou-se que os participantes aderiam às atividades, participavam e partilhavam de suas histórias com maior frequência do que no ambiente institucional, e relatavam durante a semana o aguardo do grupo. Observou-se ainda, a colaboração de uns com os outros durante as atividades realizadas, seja na locomoção, e no incentivo para a participação. Utilizou-se o referencial da psicologia social comunitária para refletir sobre o grupo e as reflexões que foram consideradas. Como conclusão, observou-se a pertinência de ações alternativas às ações formais da Psicologia para acessar a populações que apontam necessidade das contribuições da psicologia, mas que por formas tradicionais apresentam maior resistência e distanciamento.

Publicado
2018-11-12