Um novo modelo de gestão para os serviços no Sistema Único de Saúde - SUS

  • Verushka Aparecida Silvério Teresa Oliveira Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: gestão em saúde, consórcio público de sáude, regionalização, humanização

Resumo

Desde a sua criação em 1988, o SUS vem se redesenhando, a cada dia sofre mudanças positivas e também muitas influências negativas em sua trajetória, ocasionando um grande desvio do objetivo ao qual foi criado, correndo riscos de deturpação de seus princípios e ameaças de extinção. Destinados a contribuir com a organização do sistema de saúde dentro da área de jurisdição, os consórcios públicos de saúde se tornaram uma opção. Com o objetivo de implantar e/ou desenvolver programas que promovam ações e serviços de média complexidade no âmbito do SUS e atendam as diferentes demandas territoriais, em especial no suporte a atenção primária a saúde enquanto ordenadora do cuidado. Neste sentido, refletiu-se acerca de um novo olhar às questões estruturantes do serviço e a vulnerabilidades/fragilidades do mesmo diante das possíveis influências políticas ocorridas, uma vez que os dirigentes dos consórcios em sua maioria são prefeitos municipais com cargos "temporários" e ideologias partidárias de diferentes seguimentos. O que em tese torna o trabalho desenvolvido um tanto quanto superficial, pouco sustentável e mecânico. Ao longo dos anos o Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paranapanema – CISMEPAR vem construindo novos caminhos para a gestão consorciada e em 2016, consolidou um novo modelo de gestão, capaz de empoderar a equipe técnica do serviço, em especial aqueles em cargo de carreira, a desenvolver processos de trabalho sustentáveis humanizados e que não sofressem mudanças tão profundas com as oscilações do cenário político aos quais são submetidos. Nesta proposta, os entes federados ultrapassando as barreiras hierárquicas, se relacionam de forma transversal e apoiadora, em uma construção constante, unindo forças e saberes em prol de um objetivo em comum, sempre pensando na integralidade do cuidado dispensado ao usuário e atendimento das especificidades territoriais. Com os avanços já alcançados, percebemos que é possível com o envolvimento de todos atenderem aos princípios do SUS de forma a devolvê-lo ao seu desenho original e torná-lo, ou melhor, reposiciona-lo como o melhor serviço de saúde pública do mundo.

Publicado
2018-11-08